Há quatro décadas, reportando de São Paulo para o mundo

FAÇA PARTE DA ACE

A ACE é uma associação sem fins lucrativos criada para dar apoio ao trabalho de jornalistas estrangeiros sediados em Brasil. Mais de 30 nacionalidades já passaram pela associação, entre jornalistas que

Em 2015, reuniu 63 associados efetivos, de 23 nacionalidades, que trabalhavam para a mídia de 21 países de Europa, Asia e América.

Você mora no Brasil e trabalha para a mídia estrangeira? Junte-se a nós!

Como se tornar um membro da ACE: 

1. Realize o seu depósito na conta da associação:
Banco: Itaú
Agência: 0183
C/C: 75756-6
CNPJ: 07.852.386/0001-09
Nome: ASSOCIACAO C E ACE

2. Nos envie o comprovante por e-mail:

tesoureiro@correspondentes.org.br
Assunto: COMPROVANTE ACE 2018-2019

3. Nos envie os seguintes dados:
• Nome Completo
• Número do documento
• (RNE/Passaporte/CPF..)
• País de Origem
• Foto para a carteirinha

4. Aguarde a chegada da sua carteirinha!

 

Modelo da carteirinha

 

Como membro da ACE você tem direito a:

– Participação nas nossas entrevistas coletivas, viagens e eventos sociais;
– Carteirinha de imprensa da ACE;
– Acesso completo ao nosso novo website com as últimas informações;
– Inclusão no nosso mailing, com lançamentos interessantes;
– Participação nas assembleias e um voto nas atas e eleições;
– Descontos para atividades culturais e cursos na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP)

Valor de anuidade

Correspondentes em São Paulo ……………………. R$ 180

Correspondentes fora de São Paulo ………………. R$ 90

Correspondentes no Rio de Janeiro: contate os nossos colegas de www.acie.org.br

 

Ponte Rio – São Paulo

As Associações de Correspondentes do Rio de Janeiro e de São Paulo formalizaram um acordo de cooperação na forma de participação dos associados em ambas as instituições.

1) Correspondentes estrangeiros devem se associar à associação presente na sua cidade de residência, seja São Paulo ou Rio de Janeiro;

2) Membros residentes em outros estados poderão pagar metade da anuidade, R$ 90,00 (noventa reais) por ano, para receber às informações e atividades das duas associações  (coletivas organizadas, viagens, cafés da manhã…)

3) O valor da anuidade dará o direito de receber a carteirinha da associação de São Paulo.

Contato ACIE – Rio de Janeiro: com acie@acie.org.br

Contato ACE – São Paulo: contato@correspondentes.org.br

Rio de Janeiro/São Paulo, 28 de agosto de 2018.

SUA MENSAGEM





Raça aqui é como casta na Índia

Tela no metrô da Linha Verde mostra um homem Sikh no Templo Dourado em Amritsar. Foto: Shobhan Saxena

Meu amor pelo Brasil começa com o futebol. Apesar de eu ter nascido em um país louco pelo críquete, eu cresci ouvindo estórias sobre gigantes do futebol como Pelé e Zico. Mas nunca os vimos jogando porque a primeira Copa do Mundo a ser transmitida pela TV na Índia foi somente em 1986. Em 1998, no entanto, eu vi em primeira mão a mágica brasileira na Copa da França.

No jogo contra a Escócia eu estava sentado entre torcedores brasileiros. Eles pensavam que eu era brasileiro, falavam comigo em português, e me cumprimentavam quando o Brasil fez goals. Eles pareciam pessoas amistosas que não se importavam com a cor da sua pele. Mas eu notei uma diferença. Enquanto os jogadores brasileiros pareciam ser na maioria de raças
misturados, os torcedores brasileiros na França eram na maioria brancos.

Eu comecei a entender esta diferença quando viajei pela primeira vez ao Brasil, em 2010 e depois quando mudei para o país em 2012. Enquanto eu pesquisava sobre futebol brasileiro percebi que diferentemente da Índia, onde o críquete é jogado por rapazes de castas intermediárias e altas, no Brasil o futebol tem funcionado como uma oportunidade de ascensão para os garotos pobres.

Isso também acontece em outra paixão brasileira: o carnaval, adotado pelos pobres e que se tornou parte da cultura dominante brasileira. Muitos brasileiros que eu conheço falam abertamente sobre futebol e carnaval. Mas eles hesitam falar sobre outro aspecto: raça.

Antes de mudar para o Brasil eu ouvi e li muito sobre o Brasil ser uma “democracia racial” – um país onde a cor de sua pele não importa. Esta constatação me parecia verdadeira ao circular pelo país já que ninguém me da um segundo olhar. Eu vivi em Nova York exatamente no período dos atentados de setembro de 2001 e lá rotineiramente eu era xingado porque me consideravam árabe ou paquistanês. Um “terrorista paki”, como diziam. O Brasil foi um agradável alívio para mim.

Mas ao acompanhar as notícias políticas e sociais do Brasil de forma mais detalhada, eu pude perceber que  raça ainda é uma questão viva aqui. A primeira vez que constatei isso foi em 2013, enquanto cobria as manifestações de rua de junho e julho. As manifestações eram contra a corrupção. Mas era difícil ignorar a composição racial e de classes dos manifestantes. Em um país com metade da população branca, estes manifestantes que vi nas ruas naqueles dias eram quase 90% brancos. Eu percebi este padrão de novo e de novo em todas as manifestações.

A realidade do racismo no Brasil não é visível nas praias e nas ruas. Ela existe nas favelas, nas prisões e nas delegacias de polícia. Não é coincidência que a maioria das pessoas que são alvo de tiros da polícia são pobres e negras. Não é coincidência que a maioria dos habitantes das favelas são negros ou miscigenados.

Raça aqui é como casta na Índia. Todo mundo nega que existe, mas todos praticam: consciente ou inconscientemente. É sistemático e institucionalizado.

Por Shobhan Saxena

Correspondente na América do Sul do jornal indiano Times of India, o site The Wire e BBC Hindi.

000