Há quatro décadas, reportando de São Paulo para o mundo

FAÇA PARTE DA ACE

A ACE é uma associação sem fins lucrativos criada para dar apoio ao trabalho de jornalistas estrangeiros sediados em Brasil. Mais de 30 nacionalidades já passaram pela associação, entre jornalistas que

Em 2015, reuniu 63 associados efetivos, de 23 nacionalidades, que trabalhavam para a mídia de 21 países de Europa, Asia e América.

Você mora no Brasil e trabalha para a mídia estrangeira? Junte-se a nós!

Como se tornar um membro da ACE: 

1. Realize o seu depósito na conta da associação:
Banco: Itaú
Agência: 0183
C/C: 75756-6
CNPJ: 07.852.386/0001-09
Nome: ASSOCIACAO C E ACE

2. Nos envie o comprovante por e-mail:

tesoureiro@correspondentes.org.br
Assunto: COMPROVANTE ACE 2018-2019

3. Nos envie os seguintes dados:
• Nome Completo
• Número do documento
• (RNE/Passaporte/CPF..)
• País de Origem
• Foto para a carteirinha

4. Aguarde a chegada da sua carteirinha!

 

Modelo da carteirinha

 

Como membro da ACE você tem direito a:

– Participação nas nossas entrevistas coletivas, viagens e eventos sociais;
– Carteirinha de imprensa da ACE;
– Acesso completo ao nosso novo website com as últimas informações;
– Inclusão no nosso mailing, com lançamentos interessantes;
– Participação nas assembleias e um voto nas atas e eleições;
– Descontos para atividades culturais e cursos na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP)

Valor de anuidade

Correspondentes em São Paulo ……………………. R$ 180

Correspondentes fora de São Paulo ………………. R$ 90

Correspondentes no Rio de Janeiro: contate os nossos colegas de www.acie.org.br

 

Ponte Rio – São Paulo

As Associações de Correspondentes do Rio de Janeiro e de São Paulo formalizaram um acordo de cooperação na forma de participação dos associados em ambas as instituições.

1) Correspondentes estrangeiros devem se associar à associação presente na sua cidade de residência, seja São Paulo ou Rio de Janeiro;

2) Membros residentes em outros estados poderão pagar metade da anuidade, R$ 90,00 (noventa reais) por ano, para receber às informações e atividades das duas associações  (coletivas organizadas, viagens, cafés da manhã…)

3) O valor da anuidade dará o direito de receber a carteirinha da associação de São Paulo.

Contato ACIE – Rio de Janeiro: com acie@acie.org.br

Contato ACE – São Paulo: contato@correspondentes.org.br

Rio de Janeiro/São Paulo, 28 de agosto de 2018.

SUA MENSAGEM





“A sociedade brasileira não é de extrema-direita”, diz Stédile, em entrevista coletiva à ACE

“A sociedade brasileira não é de extrema-direita”, diz Stédile, em entrevista coletiva à ACE
maio 7, 2019 ACE

João Pedro Stédile, um dos fundadores do Movimento Sem Terra, concedeu uma entrevista coletiva aos correspondentes internacionais da ACE.

“Não vemos uma solução a curto prazo”, analise Stédile sobre a descontinuação do INCRA.

O economista João Pedro Stédile, um dos fundadores do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), apresentou aos correspondentes o posicionamento da agrupação em relação ao atual governo brasileiro e fez uma análise da conjuntura política nacional e internacional. A coletiva foi realizada no dia 26 de abril no Centro de Estudos da Mídia Alternativa “Barão de Itararé”, no centro de São Paulo.

Segundo Stédile, três questões unem o MST e os principais movimentos sociais contra o atual governo: A libertação do Lula, e os protestos contra a reforma da previdência e contra as privatizações. O auge desses protestos, que acontecem desde abril, deve acontecer no segundo semestre, com uma greve geral.

     Para o líder do MST a aprovação da Reforma da Previdência, deve jogar a população brasileira na exclusão e encaminhar parte para a previdência privada. “A Reforma da Previdência é um assalto aos mais pobres”, disse Stédile. O economista ainda expressou indignação pela paralisação da Reforma Agrária e de políticas públicas em apoio a agricultura familiar.

   “Não vemos uma solução a curto prazo”, completou Stédile ao falar sobre a descontinuação no trabalho do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e a falta de assistência ao trabalhador rural. No ano de 2018, conflitos no campo fizeram 28 mil vítimas no Estado de Mato Grosso, segundo relatório da Comissão Pastoral da Terra. No entanto, o aumento mais expressivo foi o de vítimas mulheres, que chegou a ter um aumento de 377% em relação aos dados de 2017.

     Apesar de não estar de acordo com a forma com que o país tem sido direcionado pelo governo atual, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), fundado em  1984, continua com movimentações de ativismo político e social. Entre as próximas organizações que o grupo apoia está a greve nacional dos professores, que deve acontecer no dia 15 de maio e a tradicional, Marcha das Margaridas, a ser realizada no dia 14 de agosto, com enfoque em impedir a Reforma da Previdência.

Para acessar os áudios da coletiva, é só acessar o link.

Nathália Matos