Há quatro décadas, reportando de São Paulo para o mundo

FAÇA PARTE DA ACE

A ACE é uma associação sem fins lucrativos criada para dar apoio ao trabalho de jornalistas estrangeiros sediados em Brasil.

Em 2015, reúne 63 associados efetivos, de 23 nacionalidades, que trabalham para a mídia de 21 países de Europa, Asia e América.

Você mora no Brasil e trabalha para a mídia estrangeira? Junte-se a nós!

Como membro da ACE você tem direito a:

– Participação nas nossas entrevistas coletivas, viagens e eventos sociais;
– Carteirinha de imprensa da ACE;
– Acesso completo ao nosso novo website com as ultimas informações;
– Inclusão no nosso mailing, com lançamentos interessantes e nosso Newsletter quinzenal;
– Participação nas assembleias mensais e um voto nas atas e eleições;
– Descontos para atividades culturais.

Valor de anuidade

Correspondentes em São Paulo ……………………. R$ 360

Correspondentes fora de São Paulo ………………. R$ 180

Correspondentes em Rio de Janeiro: contate os nossos colegas de www.acie.org.br

 

Ponte Rio – São Paulo

As Associações de Correspondentes do Rio de Janeiro e de São Paulo formalizaram um acordo de cooperação na forma de participação dos associados em ambas as instituições.

1) Correspondentes estrangeiros devem se associar à associação presente na sua cidade de residência, seja São Paulo ou Rio de Janeiro;

2) Membros associados poderão pagar um valor simbólico de R$ 50,00 (cinquenta reais) por pessoa por ano, para também ter acesso às informações e atividades da associação da outra cidade. Tal como: acesso às informações por e-mail, coletivas organizadas, viagens, cafés da manhã, uso eventual da sede da associação como espaço de trabalho e etc.;

3) O valor simbólico não dará o direito de receber a carteirinha da outra associação;

4) Membros de fora de São Paulo ou Rio de Janeiro (capital) poderão escolher onde se associar com um desconto de 50% no valor da anuidade;

5) Os associados que por ventura estejam associados em uma cidade que não seja a de sua residência deverão fazer a migração a partir de janeiro de 2016;

6) Aqueles que desejarem participar de ambas as instituições poderão fazê-lo através do pagamento integral da anuidade (com direito a carteirinha).

7) Os membros da ACE que têm interesse em se associar no Rio pra o valor simbólico, podem entrar em contato com acie@acie.org.br. Os membros da ACIE podem entrar em contato com tesoureiro@correspondentes.org.br.

Rio de Janeiro/São Paulo, 01 de outubro de 2015.

SUA MENSAGEM





Cinca perguntas para: Adeline Haverland

Cinca perguntas para: Adeline Haverland
fevereiro 9, 2017 Katy Sherriff

Adeline Haverland é correspondente francesa em São Paulo desde 2013 para mídia francófona, como TV5, L’Express, 360° na Suiça, Axelle na Bélgica e LaPresse no Canadá. Desde 2017 trabalha também para a revista brasileira BRASILEIROS. 

1. Por que São Paulo é a sua base no Brasil? 
Vim para o Brasil graças à uma oportunidade profissional em São Paulo. Saí da empresa em 2015, mas decidi ficar aqui. Além de ser o centro econômico do Brasil, São Paulo é uma cidade que tem uma diversidade cultural muito forte. Rio tem uma própria identidade, Salvador também, mas acho que São Paulo tem um pouco de tudo isso: um pouco de carioca, um pouco de nordestino, um pouco de japonês, de italiano, de libanês…. 

2. Qual é o maior desafio de trabalhar como jornalista estrangeira aqui para você?
Cheguei em junho de 2013, alguns dias antes das manifestações começarem. Desde então, meu maior desafio como jornalista é enfrentar a possibilidade de ser atacada pela PM ao cobrir as manifestações. Em 2016, cobrindo um ato na Paulista, a PM jogou bombas de efeito moral na minha frente…até hoje, isso é o meu maior medo. 

3. Qual reportagem que você já fez aqui foi o mais impactante pra você e por quê?
Em setembro de 2016, em Osasco, acompanhei algumas famílias no dia da mudança para suas novas casas em um projeto de moradia social ‘Minha casa, minha vida’. Algumas tinham aguardado mais de 10 anos, morando na favela, até conseguir a casa. Falavam que era o melhor dia das suas vidas, foi muito emocionante ter a possibilidade de acompanhá-las. 

4. Qual local é a sua joia escondida nessa cidade?
Estou apaixonada pelo bairro do Bixiga. Realizei um curta-metragem sobre uma personagem do bairro em 2015 e desde então amo andar pelas ruas coloridas do bairro, participar da roda de samba da 13 de maio, da lavagem da rua em maio, dos ensaios da Vai-Vai, dos eventos da casa Dona Yayá…

5. O que você sempre traz de volta na mala da França quando retorna ao Brasil?
Sem nenhuma dúvida: comida! Vinhos, cervejas belgas, chocolate 80%, Waffles de Liège….e quando dá, até comida da minha mãe!