Há quatro décadas, reportando de São Paulo para o mundo

FAÇA PARTE DA ACE

A ACE é uma associação sem fins lucrativos criada para dar apoio ao trabalho de jornalistas estrangeiros sediados em Brasil. Mais de 30 nacionalidades já passaram pela associação, entre jornalistas que

Em 2015, reuniu 63 associados efetivos, de 23 nacionalidades, que trabalhavam para a mídia de 21 países de Europa, Asia e América.

Você mora no Brasil e trabalha para a mídia estrangeira? Junte-se a nós!

Como se tornar um membro da ACE: 

1. Realize o seu depósito na conta da associação:
Banco: Itaú
Agência: 0183
C/C: 75756-6
CNPJ: 07.852.386/0001-09
Nome: ASSOCIACAO C E ACE

2. Nos envie o comprovante por e-mail:

tesoureiro@correspondentes.org.br
Assunto: COMPROVANTE ACE 2018-2019

3. Nos envie os seguintes dados:
• Nome Completo
• Número do documento
• (RNE/Passaporte/CPF..)
• País de Origem
• Foto para a carteirinha

4. Aguarde a chegada da sua carteirinha!

 

Modelo da carteirinha

 

Como membro da ACE você tem direito a:

– Participação nas nossas entrevistas coletivas, viagens e eventos sociais;
– Carteirinha de imprensa da ACE;
– Acesso completo ao nosso novo website com as últimas informações;
– Inclusão no nosso mailing, com lançamentos interessantes;
– Participação nas assembleias e um voto nas atas e eleições;
– Descontos para atividades culturais e cursos na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP)

Valor de anuidade

Correspondentes em São Paulo ……………………. R$ 180

Correspondentes fora de São Paulo ………………. R$ 90

Correspondentes no Rio de Janeiro: contate os nossos colegas de www.acie.org.br

 

Ponte Rio – São Paulo

As Associações de Correspondentes do Rio de Janeiro e de São Paulo formalizaram um acordo de cooperação na forma de participação dos associados em ambas as instituições.

1) Correspondentes estrangeiros devem se associar à associação presente na sua cidade de residência, seja São Paulo ou Rio de Janeiro;

2) Membros residentes em outros estados poderão pagar metade da anuidade, R$ 90,00 (noventa reais) por ano, para receber às informações e atividades das duas associações  (coletivas organizadas, viagens, cafés da manhã…)

3) O valor da anuidade dará o direito de receber a carteirinha da associação de São Paulo.

Contato ACIE – Rio de Janeiro: com acie@acie.org.br

Contato ACE – São Paulo: contato@correspondentes.org.br

Rio de Janeiro/São Paulo, 28 de agosto de 2018.

SUA MENSAGEM





MANIFESTO DOS CORRESPONDENTES ESTRANGEIROS EM DEFESA DA LIBERDADE DE IMPRENSA

MANIFESTO DOS CORRESPONDENTES ESTRANGEIROS EM DEFESA DA LIBERDADE DE IMPRENSA
outubro 30, 2018 ACE

MANIFESTO DOS CORRESPONDENTES ESTRANGEIROS EM DEFESA DA LIBERDADE DE IMPRENSA

A Associação de Correspondentes Estrangeiros (ACE), que reúne jornalistas da imprensa internacional, em São Paulo, une-se aos colegas brasileiros e às diversas organizações que representam o jornalismo, dentro e fora do país, para manifestar seu repúdio com a forma em que os repórteres estão sendo tratados durante manifestações, que deveriam ser pacíficas e de comemoração ao fim de mais uma jornada democrática no Brasil.

Temos recebido inúmeros relatos de colegas que têm sido assediados física e moralmente nas ruas das principais cidades brasileiras, no momento em que exerciam suas coberturas. Vários colegas estrangeiros foram hostilizados, vítimas inclusive de xenofobia, por parte de manifestantes, enquanto tentavam fazer entrevistas, pelo fato de usar câmeras, gravadores ou blocos de notas que os identificavam como jornalistas. Em alguns relatos, a polícia se absteve de proteger os nossos colegas, e fez vista grossa às agressões. Fazemos o apelo às autoridades da segurança pública para que garantam a proteção e o respeito aos jornalistas nas ruas.

Consideramos inaceitável este tipo de atitudes, ainda mais condenáveis em um país democrático e solicitamos às autoridades brasileiras, e em especial ao Presidente e aos políticos recém-eleitos, que se pronunciem e reprovem com veemência atos de violência e de desrespeito contra jornalistas e veículos de comunicação.

Solidarizamo-nos com os colegas brasileiros que também têm sido alvo de ataques e perseguições graves, assim como os meios de comunicação que estão sendo hostilizados e desrespeitados por cumprir seu papel de investigar, de combater a corrupção e de fomentar o diálogo, valores fundamentais para o exercício da democracia, um sistema político que vai além do voto, e que fica frágil sem o devido respeito às instituições.

Somamo-nos às organizações que defendem a nossa profissão, como a Associação Brasileira de Jornalistas Investigativos (Abraji), que documentou mais de 140 casos de ameaça e violência contra jornalistas durante as eleições.

Pedimos ao presidente recém-eleito, Jair Messias Bolsonaro que, em nome de tudo o que representa, tendo recebido a confiança dos brasileiros, e tendo garantido que honrará a Constituição e a Liberdade de Imprensa, cobre da sua militância e dos  eleitores, o mesmo compromisso, e que não incite a perseguição de jornalistas e meios, já que só com eles será possível mantermos a verdadeira democracia que todos queremos.

Agora que a campanha eleitoral acabou e que teremos um novo Governo democraticamente eleito, a sua figura e as suas palavras serão de extrema importância para aquietar os ânimos e desestimular a violência.

 

Associação dos Correspondentes Estrangeiros (ACE)

São Paulo, 30 de outubro de 2018


Versão traduzida em inglês:

FOREIGN CORRESPONDENTS’ MANIFESTO IN DEFENCE OF FREEDOM OF THE PRESS

 

We, the Association of Foreign Correspondents (ACE), in São Paulo, join with our Brazilian colleagues and with the various organizations which represent journalists in Brazil and overseas, to express our repudiation of the treatment of reporters during what should have been a peaceful demonstration to commemorate a democratic event, the elections.

We have received numerous reports from colleagues who have been physically and morally harassed in the streets of the main Brazilian cities when they were carrying out their coverage. Foreign reporters were hostilized, objects of xenofobia, by demonstrators, while they were trying to conduct interviews, because their câmeras, recorders and notebooks identified them as journalists.   In some cases, police agents failed to protect colleagues and turned a blind eye to acts of aggression.

We appeal to the public security authorities to guarantee the protection of and respect for journalists in the streets.

We consider these sorts of attitudes unacceptable in a democracy, and we request that the Brazilian authorities, especially the recently elected President and other politicians, strongly condemn acts of violence and lack of respect for journalists and vehicles of communication.

We extend our solidarity to Brazilian colleagues who have also been the object of serious attacks and persecutions, as well as to the media who are being hostilized and disrespected for fulfilling their role of investigating, combatting corruption and stimulating dialogue, fundamental values for the exercise of democracy, a political  system which extends beyond the vote, and which, without respect for institutions, is weakened.

We add our voice to the organisations which defend our profession, such as the  Brazilian Association of Investigative Journalists (Abraji), which has documented over  140 cases of threats and violence against journalists during the elections.

We request that the newly elected president, Jair Messias Bolsonaro, in the name of everything the presidency represents, having received a vote of confidence from Brazilians, and having guaranteed that he will honour the Constitution and the freedom of the press, asks the same commitment of his militant supporters and electors. We also ask that he refrains from inciting the persecution of journalists and the media, as it is only with them that it is possible to maintain the true democracy that we all want.

Now that the election campaign has ended and we have a new democratically elected government, his person and his words will be of extreme importance for pacifying minds and discouraging violence.

 Association of Foreign Correspondents (ACE)

São Paulo, 30th October 2018

 


Versão traduzida em francês:

MANIFESTE DES CORRESPONDANTS ETRANGERS POUR LA DEFENSE DE LA LIBERTE DE LA PRESSE

 

L’association des Correspondants Etrangers (ACE), que réunit les journalistes de la presse internationale à São Paulo, s’associe à ses confrères brésiliens et aux diverses organisations qui défendent le journalisme, au Brésil et à l’étranger, pour manifester son indignation face au traitement réservé aux reporters pendant les manifestations.

Nous avons reçu de nombreux récits de collègues qui ont été empêchés de faire leur travail, tant physiquement que moralement, dans les rues des principales villes brésiliennes, alors qu’ils couvraient l’élection. Plusieurs confrères étrangers ont été agressés verbalement, victimes de paroles xénophobes de la part de manifestants, pendant l’exercice de leur profession, qui nécessite l’usage de caméras, d’enregistreurs et de carnets de notes qui les identifient comme journalistes. Certains ont rapporté que la police, présente sur les lieux, n’avait pas pris en compte leurs appels à l’aide au moment des faits. Nous demandons aux forces de l’ordre de garantir la protection de la presse et le respect des professionnels dans les lieux publics.

Ces attitudes hostiles à la presse sont inacceptables dans un contexte démocratique, et nous attendons du président et du futur gouvernement  qu’ils dénoncent fermement ces actes de violence contre les journalistes et les groupes de presse.

Nous sommes solidaires avec nos confrères brésiliens, cibles d’attaques et de graves intimidations eux aussi, ainsi que de tous les médias qui sont menacés dans l’exercice de leur métier, celui d’enquêter et de promouvoir le dialogue, valeurs fondamentales pour la démocratie, un système politique qui, au-delà du droit de vote, est fragilisé quand les institutions ne sont pas respectées.

Nous nous joignons aux organisations qui défendent notre profession, comme l’Association  Brésilienne des Journalistes d’Investigation (Abraji), qui a recueilli plus de 140 cas de menaces et de violences contre les journalistes dans le cadre de la campagne électorale.

Nous exigeons que le président élu dimanche dernier, Jair Messias Bolsonaro, qui a reçu la confiance d’une partie du peuple brésilien, et a garanti qu’il honorerait la Constitution et la liberté de la presse, demande à ses partisans et à ses électeurs le même engagement, et qu’il n’incite pas à la persécution des journalistes et des médias, indispensables au maintien d’une démocratie plurielle.

Avec la fin de la période électorale et l’élection d’un nouveau gouvernement, sa personnalité et son discours seront d’une extrême importance pour désamorcer la violence.

 

Association des Correspondants Etrangers (ACE)

São Paulo, 30 octobre 2018

 

Abaixo arquivo em jpeg.