Há quatro décadas, reportando de São Paulo para o mundo

FAÇA PARTE DA ACE

A ACE é uma associação sem fins lucrativos criada para dar apoio ao trabalho de jornalistas estrangeiros sediados em Brasil. Mais de 30 nacionalidades já passaram pela associação, entre jornalistas que

Em 2015, reuniu 63 associados efetivos, de 23 nacionalidades, que trabalhavam para a mídia de 21 países de Europa, Asia e América.

Você mora no Brasil e trabalha para a mídia estrangeira? Junte-se a nós!

Como se tornar um membro da ACE: 

1. Realize o seu depósito na conta da associação:
Banco: Itaú
Agência: 0183
C/C: 75756-6
CNPJ: 07.852.386/0001-09
Nome: ASSOCIACAO C E ACE

2. Nos envie o comprovante por e-mail:

tesoureiro@correspondentes.org.br
Assunto: COMPROVANTE ACE 2018-2019

3. Nos envie os seguintes dados:
• Nome Completo
• Número do documento
• (RNE/Passaporte/CPF..)
• País de Origem
• Foto para a carteirinha

4. Aguarde a chegada da sua carteirinha!

 

Modelo da carteirinha

 

Como membro da ACE você tem direito a:

– Participação nas nossas entrevistas coletivas, viagens e eventos sociais;
– Carteirinha de imprensa da ACE;
– Acesso completo ao nosso novo website com as últimas informações;
– Inclusão no nosso mailing, com lançamentos interessantes;
– Participação nas assembleias e um voto nas atas e eleições;
– Descontos para atividades culturais e cursos na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP)

Valor de anuidade

Correspondentes em São Paulo ……………………. R$ 180

Correspondentes fora de São Paulo ………………. R$ 90

Correspondentes no Rio de Janeiro: contate os nossos colegas de www.acie.org.br

 

Ponte Rio – São Paulo

As Associações de Correspondentes do Rio de Janeiro e de São Paulo formalizaram um acordo de cooperação na forma de participação dos associados em ambas as instituições.

1) Correspondentes estrangeiros devem se associar à associação presente na sua cidade de residência, seja São Paulo ou Rio de Janeiro;

2) Membros residentes em outros estados poderão pagar metade da anuidade, R$ 90,00 (noventa reais) por ano, para receber às informações e atividades das duas associações  (coletivas organizadas, viagens, cafés da manhã…)

3) O valor da anuidade dará o direito de receber a carteirinha da associação de São Paulo.

Contato ACIE – Rio de Janeiro: com acie@acie.org.br

Contato ACE – São Paulo: contato@correspondentes.org.br

Rio de Janeiro/São Paulo, 28 de agosto de 2018.

SUA MENSAGEM





No Brasil, com sotaque francês

No Brasil, com sotaque francês
novembro 17, 2015 ACE
Em São Paulo, o ato foi na frente do Consulado Geral, na avenida Paulista. Foto: Carlos Turdera

Após os ataques de sexta-feira, 13 de novembro, em Paris, os consulados da França em Rio, São Paulo e Recife organizaram atos “contra a violência, a intimidação e o ódio e a favor da liberdade e a democracia”. Vários membros da ACE   acompanharam a concentração na avenida Paulista. A seguir, as impressões das francesas Claire Gatinois e Marie Naudascher, que estiveram em São Paulo e Rio, respectivamente.

 

Em São Paulo, o ato foi na frente do Consulado Geral, na avenida Paulista. Foto: Carlos Turdera

Em São Paulo, o ato foi na frente do Consulado Geral, na avenida Paulista. Foto: Carlos Turdera

Dinheiro e religião

É bastante esquisito ficar longe da sua familia, dos seus amigos quando acontecem atrocidades no seu pais. Na sexta-feira, dia 13 de novembro, a maior parte dos franceses, jovens de 20 a 35 anos que estão aqui no Brasil para um curso, um estágio, uma oportunidade profissional foram, ou poderiam estar, nestes lugares badalados de Paris. Nestes bares do «11ème arrondissement», nesta casa de show, le Bataclan, «neste quartier bobo». Ou no Stade de France também para assistir a um jogo do PSG.

No domingo dia 15 de novembre, em frente do consulado da França na Avenida Paulista, a maior parte dos franceses que foram lá para prestar homenagem às vitimas tiveram uma sensaçao de «déjà vu». Já tinham estado lá no dia 11 de janeiro, para mostrar a sua solidariedade com os parisianos. Os jovens fazendo um estágio ao lado dos chefes das empresas. Mas o que tal vez me deu mais conforto foi ver lá brasileiros. Como esta moça cujas bochechas foram pintadas em azul, branco  e vermelho, Julia Pacheco. Uma amiga da Camil Isso, que foi ferida nos atentados. Ela me disse em francês: «Gosto da França, gosto de Paris».  O Brasil é um pais violento, onde jovens são mortos a cada dia. Mas ela continuou, «no Brasil se mata por dinheiro, não por causa da sua religião».

Claire Gatinois

La vie en rose

No Rio, brasileiros e franceses se encontraram no Largo do Machado. Foto: Marie Naudascher

No Rio, brasileiros e franceses se encontraram no Largo do Machado. Foto: Marie Naudascher

O Cristo Redentor estava vestido de Azul, Branco e Vermelho, enquanto cerca de 300 franceses e brasileiros estavam chegando com bandeiras e camisas da seleção francesa no Largo do Machado.

Foi uma reunião espontânea, apesar de ter sido divulgada pelo consulado da França no Rio de Janeiro. Um músico veio com uma sanfona e algumas partituras de músicas francesas. Debaixo de chuva, o grupo logo começou a cantar “La Vie en rose”, da Edith Piaf, ode ao amor e à vida. Foi justamente essa vida de boêmia, querida pelos jovens, num bairro popular e cheio de vitalidade artística que foi alvo dos ataques terroristas. Foi aquilo que a multidão lembrou naquela tarde.

“La Marseillaise” tambem ecoou enquanto as velas iluminavam os rostos tristes dos amigos da França. Um cartaz colorido ” Cariocas pour la paix en France”, (cariocas pela paz na França) se destacou entre as velas. Estávamos reunidos para isso: promover a paz neste momento de profunda tristeza e solidariedade com as vitimas.

Marie Naudascher